segunda-feira, 18 de novembro de 2013

T de Time Tricampeão

Share |


Passada a euforia e alguns dias que o Cruzeiro conquistou o Tricampeonato Brasileiro, quebrando uma seca de títulos importantes nacionalmente de 10 anos. Venho a este blog, como fiz em julho diante do título do Galo na Libertadores, escrever um texto, meio como torcedor meio como jornalista, já que não escondo de ninguém que sou cruzeirense.

No ano que o Brasil disse que o “gigante acordou”, um “gigante acordou” no futebol brasileiro. Este gigante chama-se Cruzeiro Esporte Clube, o gigante andava adormecido pelas fracas campanhas nas últimas temporadas, especialmente, 2011, onde uma goleada sobre o rival Atlético por 6 a 1 o salvou de uma página que mancharia sua história, o Rebaixamento para a Série B e, certamente, não escreveria este texto hoje.

O primeiro pilar desta conquista foi o presidente Gilvan de Pinho Tavares que bancou a contratação do treinador Marcelo Oliveira no fim do ano passado, mesmo com a rejeição que o treinador possuía junto a torcida pelo simples fato de ser ligado ao Galo. Gilvan bancou e não cedeu a pressão da torcida e hoje colhe os frutos desta sua atitude. Recebeu um Cruzeiro sem dinheiro e, rapidamente, o tornou campeão.

Falei no treinador antes rejeitado hoje idolatrado, Marcelo Oliveira, este também se superou neste ano. Vindo de um trabalho ótimo no Coritiba, faltava a ele um grande time para convencer o Brasil como técnico e continuou com a mesma linha de trabalho na Raposa, uma linha ofensiva e alegre, coisa que estava morrendo em nosso futebol. Esta linha agradou em cheio ao torcedor azul que sempre se acostumou com times ofensivos e que enchem os olhos.

O terceiro pilar foram as contratações. O time foi reformulado para este ano, contratou em quantidade e qualidade, dando chances de volta por cima para vários jogadores como Nilton e Dagoberto. Mas a principal contratação chegou sem muito alarde e conquistou a China Azul com seus golaços.

Estou falando de Everton Ribeiro (ou simplesmente Evershow). O camisa 17 é sem dúvidas o craque do Campeonato Brasileiro, merece uma chance na Seleção Brasileira, um showman do futebol brasileiro. Sua perna esquerda protagonizou lances de pura arte e genialidade, fazendo a torcida esquecer facilmente o argentino Montillo. O gol contra o Flamengo pela Copa do Brasil enlouqueceu a torcida e encantou o Brasil. Mas Everton Ribeiro não foi o único a brilhar.

Este título não teve um dono máximo como foi em 2003 com Alex, o atual Cruzeiro se destaca pelo coletivo, muitos brilharam igualmente. Ricardo Goulart com seu jeito desengonçado, o guerreiro Nilton, o Mito Dedé, o jovem Lucas Silva, o bigodudo Willian. Todos estes viraram ídolos do time.

Deixo para o final desta crônica, o maior merecedor do Tricampeonato azul. O goleiro Fábio, o capitão do Tri. O Camisa 1 viveu todos os momentos ruins que o clube passou por esta década, campanhas inócuas no Brasileirão, a quase-queda em 2011, o Vice da Libertadores em 2009, a vexatória goleada para o Galo na final do Mineiro onde levou um gol virado com as costas para o gramado. O goleiro salvou o time em muitas ocasiões e estava almejando um título de expressão para entrar de vez na galeria dos grandes campeões do Cruzeiro.

Resumo, o Cruzeiro sobrou no Campeonato Brasileiro deste ano e o título com 4 rodadas de antecedência mostra isso. Um futebol para frente, alegre e gostoso de se ver como a muitos não se via de um Campeão Brasileiro. Mostrando que a ofensividade pode ganhar títulos ainda.



2 comentários:

Flaviane Andrade disse...

Excelente texto!!! Parabéns

Flaviane Andrade disse...

Excelente texto!!! Parabéns