sexta-feira, 14 de setembro de 2007

Eliminatórias da Eurocopa – Zebra em Paris e xerifão descontrolado!

Share |

Por Gabriel Seixas


Marcada por confusões e resultados surpreendentes, alguns deles – praticamente – garantindo classificações, a Eurocopa teve a sua rodada no mês de Setembro complementada. Novamente, a partida entre Azerbaijão e Armênia foi cancelada, já que os dois países vivem em um longo conflito territorial e não entraram em acordo para o local da realização da partida. Confira o balanço das 21 partidas que agitaram a rodada do velho continente:

Grupo A

Finlândia 0 x 0 Polônia

Na única partida sem gols da rodada, Finlândia e Polônia ficaram no zero e garantiram os seus times no G-2, pelo menos até esta rodada. A Polônia é a líder da chave com 21 pontos, enquanto a Finlândia soma 19 no total.
A equipe da casa acumulou sua segunda partida sem sofrer gols, mostrando que tem mesmo um setor defensivo bastante sólido. Já a Polônia, dona de um ataque que geralmente surte efeito, não conseguiu vencer a retranca finlandesa.
Enquanto os finlandeses contavam com o diferencial de Tainio, os poloneses apostavam na sua poderosa dupla de ataque, formada por Rasiak e Krzynowek, que atormentou Portugal na rodada passada.
Quem compareceu ao Olympiastadion, viu um verdadeiro show do goleiro Artur Boruc: Eremenko Jr e Daniel Sjölund exigiram defesas difíceis do goleiro polonês. Em outra ocasião, novamente em arremate de Eremenko Jr, a trave salvou o inspirado goleiro do Celtic. Era prova de que os finlandeses poderiam sair do estádio muito mais felizes.

Cazaquistão 2 x 2 Bélgica

Em jogo que parecia praticamente tranqüilo para a Bélgica, a equipe permitiu uma reação surpreendente de Cazaquistão, e ficou ainda mais longe da Euro /08. Com o empate, a Bélgica é apenas a 5ª, com 11 pontos, enquanto Cazaquistão é penúltimo, com sete.
Kevin Mirallas, jogador de destaque do Lille, parecia ser a maior aposta belga na partida. Com Goor dando sustância ao meio-campo, e Vincent Kompany, do Hamburgo, compondo muito bem a zaga, a vitória parecia estar garantida. Com gols de Geraerts e Mirallas (após duas bolas na trave), abriram 2 a 0 para a equipe belga em 24 minutos de jogo. No fim do primeiro, Dmitriy Byakov recebeu passe de Smakov e diminuiu o placar.
No segundo tempo, após belíssima jogada do camisa 10 Zhumaskaliyev, da equipe mandante, Cazaquistão conseguiu um pênalti. Smakov converteu com categoria, e empatou a partida. Um feito histórico para a mediana equipe de Arno Pijpers.

Portugal 1 x 1 Sérvia

Em jogo marcado muito mais por cenas pós-jogo do que lances bonitos na partida, Portugal e Sérvia empataram em 1 a 1 e complicaram suas chances de classificação no grupo. A equipe lusitana, comandada por Luiz Felipe Scolari, tem a terceira posição com 17 pontos, enquanto a Sérvia é a quarta colocada, com um ponto a menos.
Felipão contou com a volta de Paulo Ferreira, recuperado de lesão, substituindo Marco Caneira. Bosingwa, Bruno Alves e o ótimo Fernando Meira compuseram o setor defensivo, e o 4-2-3-1 foi mantido, com o contestado Nuno Gomes no ataque. Quaresma permaneceu no banco de reservas, para desespero dos torcedores.
Pelo lado sérvio, o destaque ficou por conta de Vladimir Stojković como titular na baliza, enquanto Milan Stepanov foi para o banco.
Não demorou muito para que Portugal confirmasse o favoritismo: Aos 11 minutos, Simão cobrou falta magistral próxima a área, e abriu o placar para a equipe de Felipão. Mesmo com o gol, os portugueses queriam mais, e após excelente jogada de Bosingwa pela direita, Nuno Gomes cabeceou na trave, e no rebote, Deco parou na linda defesa de Stojković.
No desespero, Javier Clemente colocou os ótimos Marko Pantelić e Nikola Žigić no ataque – aliás, porque ambos estavam no banco? – e deu uma sacudida na equipe sérvia.
Tendo o total controle da partida, a Sérvia passou a ameaçar mais o gol de Ricardo. Cristiano Ronaldo e Simão Sabrosa procuravam prender a bola no setor ofensivo, mas não impediram que Ivanović, completamente impedido, aproveitasse bobeira da zaga e empatasse a partida: Um castigo para Portugal. No final da partida, um lance lamentável - Felipão, irritado com a maldosa marcação de Dragutinovic em Quaresma (que entrou no segundo tempo, substituindo Nuno Gomes), deu um soco no zagueiro sérvio, e pode pegar um longo período de suspensão – dependendo do rigor da entidade FIFA -, desfalcando a equipe portuguesa.


Grupo B

Ucrânia 1 x 2 Itália

Quem não tem Del Piero, caça com Di Natale! Fora de forma, o craque da Juve cedeu lugar ao suplente italiano, que deu conta do recado. Não só fez uma excelente partida, como marcou os dois gols da vitória da equipe italiana, contra a consistente seleção ucraniana.
Empurrada por Andriy Shevchenko, a Ucrânia entrou com um esquema mais consistente, o 4-2-3-1, com Kalynychenko recuperando a vaga de titular na equipe, substituindo Rotan. Na Itália, duas modificações: Roberto Donadoni, insatisfeito com a atuação de sua equipe no fim de semana, fez várias alterações: Lançou Ambrosini no lugar de De Rossi, destaque da partida contra a França (então porque saiu?), Panucci entrou no setor defensivo, substituindo Massimo Oddo, Perrotta no lugar de Gattuso, e por fim, Di Natale e Iaquinta no comando de frente, substituindo Inzaghi e Del Piero.
Entretanto, as modificações não surtiram efeito imediato: Shevchenko, aos 25 minutos, acertou o poste de Buffon, e em outra chance do camisa, 7, o artilheiro mandou rente a baliza. Porém, bem ao estilo italiano, Pirlo levantou na área e Di Natale cabeceou, fazendo o primeiro gol dos italianos, numa belíssima jogada de contra-ataque.
No segundo tempo, Shevchenko voltou a levar perigo ao gol de Buffon, e sua marca era questão de tempo: Aos 26, o artilheiro aproveitou erro de passe italiano, e mandou pra rede. Seis minutos depois, o artilheiro italiano, Di Natale, marcou o segundo dele, fechando a conta. Na metade da partida, Donadoni aproveitou para fazer experiências: Oddo entrou no meio-campo substituindo Camoranesi, e o excelente Aquilani substituiu Perrotta, ambos companheiros de AC Roma. Os dois entraram bem, e mostraram que podem fazer parte do grupo italiano. Com a vitória, a Itália chega aos 20 pontos, na vice-liderança, enquanto a Ucrânia soma 13, na 4ª posição, muito longe do G-2.

França 0 x 1 Escócia

Pra quem sonhou em ver espetáculo de Trezeguet, Anelka, Ribéry & cia dando show no Park Del Princes, viu McFadden acertar um petardo do meio da rua, e colocar a Escócia ainda mais próxima da Eurocopa 08.
Raymond Domenech, técnico que ganhou moral após a partida contra a Itália (onde deu um nó tático em Donadoni), tinha um desfalque importantíssimo para a partida: Thierry Henry, craque da seleção e um dos melhores jogadores do mundo, estava suspenso. Em seu lugar, entrou David Trezeguet, não muito atrás do companheiro, em questão de talento e faro de gol.
E, se a França tinha um desfalque importante, a Escócia não ficou por menos: Boyd, com um desconforto muscular, não atuou na partida. Em seu lugar, entrou o badalado Ferguson, que correspondeu as expectativas.
O primeiro tempo foi fraco, com a França tenho o domínio claro da partida. Foram 7 arremates ao gol, dentre eles, o chute de Florent Malouda, que exigiu boa defesa de Gordon (excelente guarda-redes), e o arremate de Makelele, que foi pra fora.
No segundo tempo, o panorama não foi muito diferente. Muita correria e pressão da França, enquanto a Escócia mantinha-se segura nos contra-ataques. Após belíssima tabela de Trezeguet e Ribéry, o segundo concluiu e Gordon fez uma ótima defesa.
E a Escócia? Com um panorama totalmente revés (Fletcher, destaque do time, teve de ser substituído aos 26 minutos), arrematou apenas duas vezes. O suficiente para que McFadden acertasse um petardo no canto superior direito, sem qualquer chance para Mickaël Landreau.
Domenech tentou responder, e lançou a equipe pra frente: Os jovens Nasri e Benzema substituíram Patrick Vieira e Eric Abidal. Mesmo com a pressão exercida pelo time francês, a equipe não conseguiu furar o excelente sistema defensivo escocês: Fim de papo. A Escócia lidera o Grupo B com 21 pontos, enquanto os blues são os terceiros, com 19.

Lituânia 2 x 1 Ilhas Faroe

Tudo se poderia esperar de uma partida entre Lituânia e Ilhas Faroe, exceto um jogo decente de futebol. Porém, a falta de técnica foi compensada com a superação das duas equipes, e a Lituânia se deu bem nessa. A esperança de Ilhas Faroe em conquistar seu primeiro ponto no grupo foi por água a baixo, e a equipe se mantém em último, sem nada. A Lituânia é quinta colocada, com dez pontos na bagagem.
A partida começou, e o gol saiu logo aos 8 minutos: Saulius Mikoliunas exigiu boa defesa de Jákup Mikkelsen, que espalmou. No rebote, Edgaras Jankauskas, ex-jogador de FC Porto e Benfica, mandou pras redes, fazendo 1 a 0 Lituânia. Depois disso, gols inacreditáveis foram perdidos pelas duas seleções: Súni Olsen, de Ilhas Faroe, arrematou com muito perigo, perdendo a chance do empate. E, no fim da primeira etapa, Danilevicius perdeu um gol cara-a-cara com Mikkelsen.
No início da etapa final, Audrius Ksanavicius fez boa jogada e serviu Danilevicius, que não perdoou e fez 2 a 0 Lituânia.
Algimantas Liubinskas, técnico lituânio, perdeu Mikoliunas e Cesnaukis, lesionados, e foram substituídos por Velicka e Kalonas.
Foram vinte (isso mesmo, vinte) chutes a gol da Lituânia, contra apenas seis dos faroenses. Em um deles, já nos acréscimos, Rógvi Jacobsen fez jogada individual e diminuiu o marcador.

Grupo C

Noruega 2 x 2 Grécia

Em um grupo equilibrado quanto ao G-2, a Grécia deu um importante passo para sua classificação. Com um jogo a menos, a equipe liderava o grupo com 18 pontos, e com o empate conquistado no Ulleval (estádio norueguês), aproximou-se de uma nova Eurocopa.
Os atuais campeões, que haviam folgado na rodada passada, entraram em campo dispostos a manterem a vantagem na liderança. O destaque grego ficou por conta de Theofanis Gekas, artilheiro do Bayer Leverkusen e da seleção. Municiado por Karagounis e Katsouranis, ele era a principal esperança da equipe.
Do outro lado, uma equipe mais consistente – e experiente -, que apostava no faro de gol de Carew, e nas perigosas jogadas pelo lado esquerdo, formadas por Riise e Pedersen.
O jogo foi decidido no primeiro tempo. Logo aos 7 minutos, o defensor Krygiakos, destaque da partida, aproveitou córner cobrado por Georgios Karagounis e abriu o placar para os gregos. Sem perder tempo, aos 15 minutos, John Arne Riise fez ótima jogada pela esquerda e cruzou na medida para Carew empatar.
Mas a Grécia estava em busca de uma batalha sofrida, e sem desistir em qualquer momento: Krygiakos parou em Opdal, mas no rebote, o zagueiro grego fez o segundo, recolocando a Grécia em vantagem. A Noruega não abaixou os braços, e 9 minutos depois, fez um gol estupendo: Jan Gunnar Solli tocou para Riise, que acertou uma pancada no gol, sem chances para Chalkias.
Já com as entradas de Hesltad e Riseth, a Noruega foi valente enquanto pôde: Riise, nos acréscimos, exigiu boa defesa de Chalkias, enquanto Martin Andersen, poucos minutos depois, teve seu chute travado pelo adversário.
A Grécia lidera o grupo com 19 pontos, enquanto a Noruega é a 3ª colocada com 17, perdendo no critério de desempate para a Turquia (no caso, saldo de gols – por apenas um gol marcado).

Turquia 3 x 0 Hungria

Imagine o seu time vencendo por 2 a 0, com jogo nas mãos, tendo o total domínio da partida. Qual a importância de marcar um gol nos acréscimos e aumentar a vantagem? No caso da Turquia, o gol de Halil Altintop, aos 48 do 2º tempo, valeu a vice-liderança do grupo. Isto porque, se a vitória por apenas 2 a 0 fosse concretizada, a Turquia empataria em todos os critérios com a Noruega, já que no “jogo-desempate”, as duas equipes empataram por 2 a 2.
Fatih Terim, técnico turco, inovou – e muito – na escalação. O coach deixou nada mais, nada menos do que Halil Altintop, que havia feito uma ótima partida contra Malta, inclusive marcando gol, no banco de reservas. Com isso, a equipe voltou a atuar com 2 atacantes, dupla formada por Tuncay e Nihat, que substituiu Hakan Sükür, suspenso.
Já a Hungria, que carece de um setor defensivo e um comando de ataque consistente, apostava no seu meio-campo (sua peça chave) para conseguir a vitória. Com Gera e Hajnal o conduzindo, a equipe não soube fazer proveito do contra-ataque, e chutou apenas uma vez ao gol turco.
O primeiro tempo foi bastante morno, com as duas equipes tendo praticamente o mesmo número de posse de bola. No segundo, Terim, insatisfeito com as últimas atuações de sua equipe (já acumulava 3 jogos sem vencer), colocou Emre Belözoglu, do Newcastle, no lugar de Nihat. E, a mesma pergunta que você pode estar fazendo agora, eu também faço: O que Emre estava fazendo no banco de reservas?
A reação foi imediata. Aos 18 minutos, Gera, um dos destaques da Hungria contra a Bósnia-Herzegovina na rodada passada, recebeu o segundo cartão amarelo (automaticamente expulso), após simulação. A Turquia aproveitou o seu jogador a mais, e Emre encontrou Gökdeniz, que fez um balão para Gökhan cabecear para o fundo das redes, abrindo o placar. 4 minutos depois, Mehmet Aurélio, brasileiro naturalizado turco, marcou o segundo, para delírio do torcedor que compareceu ao Inönü, em Istambul.
Aos 48 minutos, o gol mais importante da partida: Halil Altintop, que havia entrado no lugar de Gökdeniz, venceu János Balogh (que substituiu o titular Márton Fülöp, lesionado) e fez o terceiro, fechando a conta. Enquanto a Turquia é vice-líder com 17 pontos, já que tem um gol feito a mais que a Noruega, a Hungria é apenas a quinta colocada, com 9 pontos. O sonho da Eurocopa acabou por aqui, pelo menos para os húngaros.

Bósnia-Herzegovina 0 x 1 Moldávia

A Bósnia tinha tudo – e mais um pouco – para encostar nos líderes do G-2, e voltar a sonhar com a Eurocopa. Contando com o tropeço da Noruega, a equipe vacilou e perdeu em casa para a surpreendente Moldávia, por 1 a 0.
O jogo não foi dos melhores quanto a nível técnico. A Moldávia, disposta a somar os seus primeiros três pontos em uma Eurocopa jogando fora de casa (nunca havia conseguido esta façanha), marcou seu gol aos 22 minutos, quando Igor Bugaev aproveitou cruzamento de Alexandru Gatcan e inaugurou o marcador no Olympic Stadium.
Na etapa final, os mandantes pressionaram do início ao fim, e tanto Zlatan Muslimović, quanto Edin Džeko, estiveram muito próximos do empate, mas o resultado ficou assim. A Bósnia perde a chance de encostar nos líderes, e mantém a quarta posição, com 13 pontos. Já a Moldávia, apesar da vitória, ainda segura a lanterninha, com 5 pontinhos.

Grupo D

República Tcheca 1 x 0 Irlanda

A classificação da República Tcheca está próxima de ser selada nas próximas rodadas. Após a vitória tranqüila contra San Marino, a equipe não teve dificuldades para vencer a Irlanda, e liquidou a fatura nos minutos iniciais.
A equipe da República Tcheca – e não é de hoje -, com o seu futebol, encanta este que vos fala. Verdadeiramente, uma equipe de primeira linha: Cech no gol é insubstituível; O quarteto formado por Ujfalusi, Rozehnal, Kovac e Jankulovski não deixou a desejar no setor defensivo, principalmente o último; Na meia-cancha, Sionko e Galasek eram os encarregados de anular as infiltrações da Irlanda pelo meio, liberando Jan Polak pelo lado direito, e Rosický pelo lado esquerdo. Plasil era o encarregado de fazer os dois “wingers” chegarem até o centroavante da equipe, Milan Baros.
Na primeira jogada trabalhada, aos 15 minutos, Marek Jankulovski tabelou com Plasil e chutou cruzado, abrindo o placar para a Czech Republic.
Satisfeito com a exibição de sua equipe na primeira etapa, Karel Brückner colocou Sivok no lugar de Galasek, segurando o ímpeto ofensivo tcheco.
Porém, o momento crucial da partida foi aos 16 minutos: O irlandês Stephen Hunt entrou maldosamente em Jan Polak e foi expulso, com apenas 23 minutos contados em campo (somando fim do 1º tempo + início do segundo, onde recebeu o ‘red card’). Os tchecos souberam fazer proveito do jogador a mais, e seguraram o placar até o fim do jogo. Com o resultado, a República Tcheca é vice-líder com 20 pontos, enquanto a Irlanda vem uma posição atrás, com apenas 14.

Eslováquia 2 x 5 País de Gales

Numa exibição de gala de Craig Bellamy, e principalmente, da seleção de País de Gales, a equipe goleou a Eslováquia fora de casa, por 5 a 2. Mesmo com a vitória, a equipe de Gales é apenas a quinta colocada, com 10 pontos, enquanto a Eslováquia tem a mesma pontuação, em quarto (ganha nos critérios de desempate – gols marcados).
Com sede de vingança após perder a primeira partida em casa por 5 a 1, Gales entrou com tudo e mais um pouco para sair com a vitória, e contava com a volta de Bellamy, que havia desfalcado a equipe contra a Alemanha, para acompanhar o nascimento do filho. Porém, o panorama da partida parecia ser outro: Aos 12 minutos, Marek Mintal, artilheiro do Nürnberg-ALE, aproveitou erro defensivo dos galeses e abriu o placar.
Contudo, 10 minutos após o gol eslovaco, Bellamy fez ótima jogada e cruzou na medida para Eastwood empatar. Aos 34 minutos, novamente Bellamy, desta vez aproveitando bom passe de Ledley, tocou por cima do goleiro Štefan Senecký, virando a partida.
A dupla Ledley – Bellamy novamente resultou em gol: Em nova assistência de Ledley, novo gol de Bellamy, em tarde inspirada, fazendo 3 a 1.
Ján Kocian, insatisfeito com a atuação de sua equipe, lançou Obzera no lugar do apagado Stanislav Sestak, até então destaque do Bochum na Bundesliga. E a alteração surtiu efeito: O bom Marek Čech fez jogada individual e cruzou para Mintal marcar o segundo dele, o segundo da Eslováquia, diminuindo o placar.
Já com a entrada de Fletcher no lugar de Eastwood, Gales marcou o quarto gol: Bellamy, novamente ele, cruzou e Ďurica mandou contra a própria meta. Para fechar a conta, Simon Davies, meia habilidoso do Everton, fez o quinto gol, fechando a conta. O destaque principal ficou por conta dos chutes a gol: Enquanto a Eslováquia arrematou 20 vezes e fez apenas 2 gols, Wales arriscou sete e acertou cinco. Quanta diferença, não?

Chipre 3 x 0 San Marino

No pior jogo da rodada, a pelota sofreu com a partida entre Chipre e San Marino. Comprovando a sua ascensão nas eliminatórias, e mostrando que ainda pode dar algum caldo no grupo, o Chipre somou mais 3 pontos nas eliminatórias, com a vitória já esperada por 3 a 0 contra San Marino. A equipe é a penúltima colocada, enquanto San Marino é o lanterna da competição e detentor da pior campanha das eliminatórias: 0 pontos, 9 derrotas, apenas um gol marcado e 43 gols sofridos!
Comandados por Efstathios Aloneftis e Yoannis Okkas, destaques da equipe, o Chipre foi melhor do início ao fim. Após o chute de Okkas, testando o fraco goleiro Federico Valentini, a equipe mandante marcou o primeiro gol do jogo, quando Aloneftis cruzou para Makridis: O meia não titubeou, e marcou o primeiro gol do Chipre.
O segundo também veio no primeiro tempo: Aloneftis cobrou falta com precisão e marcou um bonito gol. A equipe da casa selou a goleada com outro gol de Efstathios Aloneftis, destaque da equipe e da esforçada seleção do Chipre, após passe de Makridis, retribuindo a assistência no primeiro gol.

Grupo E

Andorra 0 x 6 Croácia

Com nada mais, nada menos do que 36 gols sofridos e apenas dois marcados (dados extraídos após o término da partida), Andorra foi goleada pela Croácia por 6 a 0, e manteve a horripilante campanha de 9 jogos e 9 derrotas. A Croácia, líder isolada do grupo com 23 pontos, está muito próxima de selar sua vaga para a Eurocopa 2008.
A equipe croata é outra que está surpreendendo nestas eliminatórias. Detentora de uma campanha invicta, com 7 vitórias e 2 empates, a Croácia entrou em campo com o seu tradicional 4-2-3-1. Runje foi o goleiro (mostrando que a Croácia não está órfã nesta posição), com Corluka na direita, Srna na esquerda, e Robert Kovac e Knezevic fazendo a dupla de zaga. No meio-campo, Jerko Leko e Modrić faziam a proteção, enquanto Kranjcar pela esquerda, Marko Babic pelo meio, e Petrić pela direita, eram os encarregados de servir o centroavante brasileiro (naturalizado croata), o avançado do Arsenal, Eduardo da Silva.
O que parecia ser tão fácil, acabou sendo complicado no início da partida. Os croatas não conseguiam vencer a retranca de Andorra: Kranjcar e Eduardo da Silva, em arremate de longa distância e cabeçada a queima-roupa (respectivamente), desperdiçaram as chances de abrirem o marcador. Eis que, aos 34 minutos, Darijo Srna bateu falta, a bola desviou na barreira e enganou Koldo Alvarez, fazendo 1 a 0 Croácia. O primeiro gol foi o suficiente para que, daí pra frente, a Croácia deitasse e rolasse na partida. Mladen Petrić, que havia marcado quatro gols contra a mesma Andorra no primeiro confronto entre as seleções, fez mais dois, ainda no primeiro tempo: O primeiro foi aproveitando jogada ensaiada, enquanto o segundo foi um arremate certeiro a baliza de Alvarez.
Na volta para o intervalo, Slaven Bilić fez duas alterações: Pranjić substituiu Modrić, enquanto Petrić, machucado, deu lugar ao experiente Bosko Balaban. 5 minutos do 2º tempo, e Kranjčar acerta um belo chute de pé esquerdo, fazendo o quarto. O quinto teve sabor brasileiro: O chute de Kranjčar saiu mal direcionado, e Eduardo da Silva aproveitou a sobra, para fazer 5 a 0. Com o jogo nas mãos, o brasileiro saiu para a entrada de Ivan Rakitić, revelação da equipe croata. Dois minutos foi o tempo suficiente para que Rakitić fizesse o sexto, após chute mal direcionado de Babić. Até o fim da partida, o meia Genís García, de Andorra, ainda foi expulso.

Macedônia 1 x 1 Estônia

Em um jogo pra lá de alternativo, a Macedônia, após sair na frente do marcador, cedeu o empate a Estônia, e complicou a sua situação na Euro. A equipe é apenas a quinta colocada, com 8 pontos, enquanto a Estônia, com 4, é a sexta.
Partindo pra cima dos mandantes, a Estônia inaugurou o marcador: Piiroja venceu Petar Milosevski e abriu o placar para a Estônia, contra os macedônios. Os donos da casa responderam com Maznov, que aproveitou cruzamento de Darko Tasevski.
Após o descanso, os homens de Srečko Katanec passaram a dominar a partida e Maznov, dentro da área, perdeu a oportunidade de fazer o 2-1.
O outro avançado macedônio, Aco Stojkov, também perdeu uma oportunidade para garantir o triunfo quando, em boa posição, permitiu a defesa de Pavel Londak.

Inglaterra 3 x 0 Rússia

Embalada pela excelente fase de Michael Owen, a Inglaterra conseguiu sua quarta vitória consecutiva pelo mesmo placar: 3 a 0. Com o triunfo, os ingleses agora estão na vice-liderança, com 20 pontos, enquanto a Rússia, ultrapassada pela própria Inglaterra, mantém aos 18.
Nem parecia a melhor defesa desta fase de qualificação. Até então, com apenas um gol sofrido em toda a competição, a Rússia intimidou-se frente o dream team. Dream Team este, que estava desfalcado de Owen Hargreaves, Frank Lampard e Wayne Rooney, ambos lesionados. Os suplentes, Shaun Wright-Phillips, Gareth Barry e Emile Heskey, o substituíram com muita frieza e categoria. E o primeiro gol surgiu dos pés de um destes, no caso, o segundo: Barry cruzou, a trajetória da bola enganou a defesa russa, e Owen aproveitou para marcar 1 a 0.
Michael Owen queria mais: Após gol perdido por Emile Heskey, avançado que procura recuperar seu prestígio no Wigan, Owen pegou a sobra, mas escorregou. Nada que abalasse o camisa 10, que na sua jogada seguinte, deslocou Malafeev e fez o segundo.
Guus Hiddink, insatisfeito com a atuação de sua equipe, passou a Rússia para o 3-4-3, já com as entradas de Bystrov e Pavlyuchenko, nos lugares de Semshov e Sychev.
Porém, a equipe de Stephen McLaren manteve-se superior, e Ferdinand aproveitou jogada aérea para marcar o terceiro, fechando a contagem.
A equipe inglesa mostra que, mesmo tão desfalcada para a partida de hoje, detém de um dos melhores plantéis europeus no momento. E o melhor: A equipe dá resultados em campo. Os resultados nas últimas partidas comprovam a excelente fase sob a tutela de McLaren.

Grupo E

Islândia 2 x 1 Irlanda do Norte

Iniciando a sua reabilitação nas eliminatórias, após a goleada sofrida para a Suécia por 5 a 0, a equipe da Islândia, nos seus dois jogos como mandante, conseguiu quatro pontos, já que conseguiu a façanha de derrotar a Irlanda do Norte por 2 a 1. Mesmo com o comando de David Healy, a equipe norte-irlandesa deixou escapar a chance que tinha para colar na Espanha e se manter mais viva do que nunca na briga para chegar até a Euro. Com a vitória, a equipe islandesa é a quinta colocada com 8 pontos, enquanto a Irlanda do Norte mantém a terceira posição, com 16 pontos.
Empurrada pelo ótimo meio-campista Hallfredsson, a Islândia buscava uma reabilitação nas eliminatórias, ao menos para não se despedir com uma campanha vexatória. Já a Irlanda do Norte, comandada pelo futuro craque David Healy, do Fulham, tinha um único objetivo: Manter a igualdade com a Espanha em número de pontos, e decidir a classificação no confronto direto, dia 21 de Novembro. Para isso, Nigel Worthington manteve a escalação da equipe que foi derrotada para a Letônia.
Porém, jogando em casa, com o total apoio da torcida que compareceu a cidade de Reiquiavique, marcou o primeiro gol logo aos 8 minutos: Gunnar Heidar Thorvaldsson lançou e Ármann Björnsson aproveitou a assistência, mandando para o fundo das redes e abrindo o placar. Mesmo com a pressão exercida pela equipe visitante, a Islândia soube se manter sólida quanto ao sistema defensivo, sem dar tanto trabalho para a baliza de Árni Arason.
No segundo tempo, a pressão norte-irlandesa foi mais forte e consistente: Chris Brunt acertou a trave, logo aos 6 minutos de jogo. O mesmo Brunt serviu Michael Duff, que mandou pra fora. Já que “água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”, Árnason derrubou Healy na área e cometeu pênalti. O mesmo David Healy converteu sem dificuldades, e marcou seu 12º gol nas eliminatórias, isolando-se na artilharia na competição.
No final da partida, o castigo para a equipe norte-irlandesa: No seu terceiro chute a gol na partida, Eidur Gudjohnsen, que havia entrado no lugar de Ármann Björnsson, fez jogada pelo flanco e “serviu” Gillespie, que mandou contra a própria rede e fechou a conta. Um castigo forte para a Irlanda do Norte; Um respiro a mais para a Islândia.

Espanha 2 x 0 Letônia

Recuperando-se na tabela de classificação do Grupo E, a Espanha derrotou sem dificuldades a Letônia por 2 a 0 e igualou a líder Suécia em número de pontos. Agora, a Fúria é vice-líder com 19 pontos, enquanto a Letônia é penúltima, com apenas seis.
Luis Aragonés, insatisfeito com a exibição de sua equipe contra a Islândia, foi obrigado a fazer alterações em sua equipe: Xabi Alonso, expulso na partida anterior, desfalcou a equipe. Em seu lugar, entrou o experiente Albelda, do Valencia. Pra quem esperava ver Cesc Fabregas e Iniesta em ação, acabou vendo o camisa 6 do Valencia e da seleção em campo. Já pela Letônia, o badalado Maris Verpakovskis era o principal jogador, e encarregado de armar os contra-ataques letões.
Festejando o seu 50º jogo pela Espanha em Eurocopas, Xavi Hernández marcou o primeiro gol da noite. Joaquín Sánchez levantou na área, e o médio do Barcelona não titubeou, abrindo o placar para a Fúria.
Até o fim do primeiro tempo, os centroavantes das duas equipes perderam gols incríveis: David Villa, em ótima condição de marcar, mandou rente a baliza de Andris Vanins. Verpakovskis, respondendo o ataque espanhol, teve a melhor oportunidade da Letônia em toda a partida, já que foram apenas dois chutes contra o gol de Iker Casillas.
Aragonés, visando a manutenção do placar, colocou Iniesta no lugar do atacante Villa. E o suplente que havia acabado de entrar, obrigou Vanins a fazer uma ótima defesa. Já com as entradas de Cesc Fabregas e Miguel Angel Angulo na partida, a Espanha marcou o segundo gol: Iniesta fez jogada para Ângulo, que obrigou Vanins a fazer defesa parcial. No rebote, o artilheiro Fernando Torres marcou o segundo da Fúria, fechando a conta.

Dinamarca 4 x 0 Liechtenstein

A Dinamarca, que já teve momentos de “glórias” com os irmãos Laudrup, acumulava uma série de jejum que incomodava os dinamarqueses. Não havia momento melhor para se reabilitar com imprensa, torcida, etc: Sem maiores dificuldades, a equipe goleou a fraquíssima seleção de Liechtenstein por 4 a 0 e agora é a 4ª colocada, com apenas 14 pontos, cinco atrás da Espanha. Liechtenstein, como era de se esperar, segura a lanterna do grupo, com quatro.
Apostando nas bolas aéreas, a Dinamarca entrou com uma formação interessante. Com Jon Dahl Tomasson isolado no ataque, aproveitando assistências de Laursen e Nordstrand pela direita, e Helveg e Rommedahl pela esquerda, a equipe começou avassaladora, e logo aos 3 minutos, Dennis Rommedahl levantou na área e Nordstrand marcou o primeiro dos dinamarqueses. Não demorou muito para que Martin Laursen, aproveitando cruzamento de Niclas Jensen, marcasse o segundo da Dinamarca em apenas 12 minutos. E quem disse que parou por aí? Ainda aos 18, em nova jogada de Rommedahl, Tomasson aproveitou bobeira da zaga e guardou o terceiro.
O quarto era questão de tempo: Jesper Grønkjær exigiu excelente defesa do guarda-redes do Boavista-POR, Peter Jehle. Se não veio com Grønkjær, ele apareceu com Nordstrand. Após jogada de Tomasson, que virou “garçom”, o camisa 7 da Dinamarca aproveitou com eficácia, marcando o quarto gol em apenas 36 minutos, média de 1 gol a cada 9 minutos.
O hat-trick de Nordstrand esteve muito perto. Um pouco depois de Morten Olsen completar suas alterações – Gravgaard / Agger, Kahlenberg / Grønkjær e Løvenkrands / Tomasson, o meia mandou pra fora, rente a trave de Jehle: Fim de papo.

Grupo G

Eslovênia 1 x 0 Bielo-Rússia

No confronto direto para definir a quarta posição do grupo – já que a vaga para a Eurocopa está muitíssimo longe, diria impossível -, a Eslovênia contou com um gol de Lavric, de pênalti, logo no terceiro minuto de jogo.
A equipe mandante contava com o seu trio de ataque, que nas últimas partidas, vem sendo o seu ponto de equilíbrio, ou melhor, desequilíbrio: Klemen Lavrič, Valter Birsa e Milivoje Novakovič eram as esperanças da equipe eslovena para sair com os três pontos. Pelos bielo-russos, os holofotes estavam voltados para Aleksandr Hleb, meia do Arsenal e, de longe, destaque da equipe.
Não deu tempo deu respirar: Logo aos 3 minutos, o goleiro bielo-russo Pavel Plaskonny derrubou Lavrič dentro da grande área, e o avançado não desperdiçou a oportunidade, batendo Vladimir Gaev e assinalando o primeiro gol esloveno na partida.
Valter Birsa e Dalibor Stevanovič, em chutes de longa distância, tiveram as grandes oportunidades de ampliar o marcador. Pela Bielo-Rússia, o que se via era uma marcação afrouxada, e um contra-ataque pouquíssimo vistoso.
Timofei Kalachev era o bielo-russo mais ligado na partida. Ele veio ameaçar o gol esloveno por duas vezes, em dois chutes pra fora. Até o fim da partida, o zagueiro da equipe visitante (Radkov) ainda foi expulso, facilitando ainda mais a vida dos eslovenos.

Bulgária 3 x 0 Luxemburgo

Enquanto Holanda e Romênia, concorrentes diretos da Bulgária para a classificação do grupo tem equipes fortes, os búlgaros têm Dimitar Berbatov. E, contando com este diferencial, a Bulgária derrotou a fraca seleção de Luxemburgo por 3 a 0, e está na terceira posição, com 18 pontos (dois a menos que Holanda e Romênia, líderes do grupo). Enquanto isso, Luxemburgo acumula nove jogos, e 9 derrotas na bagagem, uma campanha mais do que esperada.
Os búlgaros depositavam em Petrov e Berbatov, a esperança de sair do Vasil Levski com um resultado elástico. Já Luxemburgo, que tem como principal jogador o meia Strasser, não demonstra quaisquer sinal de reação nas eliminatórias.
Dimitar Berbatov, desde o início da partida, já demonstrava que estava com sede e fome de gol: Após cruzamento de Ivelin Popov, o avançado do Tottenham exigiu boa defesa de Joubert. Porém, em dois minutos consecutivos, dois arremates certeiros do camisa 9 búlgaro: Stilian Petrov cruzou na medida para Berbatov desviar e abrir o placar para a Bulgária. Um minuto depois, o mesmo Berbatov mostrou oportunismo e categoria no mesmo lance, ao encobrir o goleiro Jonathan Joubert, marcando o segundo.
O segundo tempo começou, e o panorama não sofreu alterações: Novamente Berbatov, aproveitou bobeira da zaga da equipe visitante e foi derrubado por Eric Hoffmann, cavando um pênalti. Na cobrança, o artilheiro deixou para Martin Petrov, do Manchester City, converter e fazer o terceiro.
Berbatov, Stanislav Angelov e Chavdar Yankov ainda perderam ótimas chances de aumentar o placar (foram 17 arremates a baliza de Luxemburgo), mas não converteram, e o placar se manteve em 3 a 0, importantíssimo para os búlgaros se manterem vivos na briga pela classificação. Agora, a equipe folga na primeira rodada de Outubro (dia 13 – onde haverá o confronto direto entre Romênia e Holanda), e volta no dia 17, para visitar a Albânia.

Albânia 0 x 1 Holanda

Mesmo jogando fora de casa, a Holanda teve o apoio maciço da torcida, e principalmente, deste que vos escreve. A equipe não teve dificuldades para vencer a Albânia por 1 a 0, e conquistar o seu terceiro trunfo seguido na competição, na vice-liderança com 20 pontos. A Albânia é a penúltima, com apenas nove.
A equipe da casa, percebendo que a Laranja Mecânica apostava nas jogadas pelos flancos, persistiu – e muito -, nas infiltrações pelo meio. Municiados pelo útil meia Cana, a dupla de ataque, Bogdani e Kapllani, carecia de meias de criação para municiá-los.
Do outro lado, estava a equipe da Holanda, que encanta a cada jogo, este mero comentarista que vos escreve. Com van der Sar mais seguro do que nunca no gol, Melchiot pela direita, e Ooijer pela esquerda, compuseram as laterais. A dupla de zaga, formada pelos ótimos Mathijsen e Bouma, é uma das melhores da competição. De Zeeuw foi o cabeça-de-área da laranja, enquanto van Bronckhorst e Wesley Sneijder (meia que há tempos vinha sendo o principal destaque do Ajax, agora no Real Madrid), eram os encarregados de construírem jogadas com os wingers, Babel pela direita, e Robin van Persie pela esquerda, todos de ótima categoria. Ruud van Nistelrooy, um dos melhores do mundo na posição, era o centroavante.
A Albânia levou perigo a meta de Edwin van der Sar, com uma cabeçada de Kapllani. A Holanda respondeu, e Ruud van Nistelrooy exigiu uma defesa difícil do arqueiro albanês. Wesley Sneijder também arriscou, mas a bola foi sem direção.
O jogo era aberto, e novamente van Nistelrooy obrigou o goleiro Arian Beqaj a fazer nova defesa. Respondendo o contra-ataque, Bogdani arriscou a meta de van der Sar, e o goleiro defendeu tranqüilamente.
Insatisfeito com a atuação de sua equipe, o ex-craque Marco van Basten fez apenas uma alteração: Colocou Rafael van der Vaart, destaque do Hamburgo nas duas últimas temporadas, no lugar de De Zeeuw: A alteração fez efeito, e no último minuto, após o meia albanês Cana ser expulso, van Nistelrooy marcou o gol da vitória da Laranja Mecânica.

Um comentário:

Leonardo disse...

belo texto jungle teve a manha
parabéns